sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Boletim Informativo, 10 de agosto de 2014.



PARABÉNS – IGREJA PRESBITERIANA DE PATROCÍNIO



            A Igreja é a reunião e a comunhão do povo remido por Jesus Cristo e a sua história é o registro da marca impressa no tempo pela vida de pessoas que por aqui passaram ou ainda lutam por ela. Por isso quando celebramos os 66 anos de história da igreja observamos os marcos e rendemos graças ao Senhor pelas vidas que os forjaram. Por isso é hora de render graças a Deus por nomes importantes da nossa história.
            Assim, uma das referências para a nossa história é o do Rev. Edward Epes Lane e sua esposa Mary Lane. Edward Epes Lane (1873-1962), nasceu em Campinas. Depois de trabalhar como pastor nos Estados Unidos e servir como capelão na I Guerra Mundial, veio para o Brasil com a sua esposa, Mary Abbott Cook Lane, em 1921. A princípio residiu em São Sebastião do Paraíso e aqui em Patrocínio, onde consolidou o Instituto Bíblico que leva o seu nome (IBEL). Em 1946 fixou residência em Campinas, sua terra natal, e muito fez pelo Seminário Presbiteriano, cuja nova sede foi construída em um amplo terreno doado pela família Lane. O Rev. Edward E. Lane e Dona Mary tiveram três filhos: Eduardo, Nancy (que morreu pequenina) e John.
            Outro nome marcante na história da nossa Igreja foi o do Rev. Saulo de Castro Ferreira.             Nascido em Serra do Salitre, Município de Patrocínio, MG, no dia 16 de Março de  1918, filho de Cândido Álvares Ferreira e Clarice Clara de Castro Ferreira. Saulo foi batizado pelo reverendo Alberto Zanon, em 19 de maio de 1918. O Rev. Saulo, fez sua profissão de fé no dia 28 de janeiro de 1940 em Patos de Minas com o reverendo Estevão J. Sloop.
            No início do ano de 1951, o Rev. Saulo havia concluído o curso do Seminário Presbiteriano de Campinas. Trabalhou em Ribeirão Preto, depois seguiu para Alfenas, em 1952 assumiu a Igreja Presbiteriana de Patrocínio (nossa igreja ) e passou a integrar o Presbitério do Triângulo Mineiro. Veio a se casar com Maria do Carmo Lacerda, sua esposa e companheira de jornada, mãe dos quatros filhos: Neander, Myrian, Júnia e Maria Betânia. Em nossa cidade, o reverendo Saulo se dedicou às igrejas presbiterianas, mas, sobretudo à construção da nova igreja Central e a de Esmeril, além de lecionar no Instituto Bíblico Eduardo Lane as matérias de Hermenêutica e História da Igreja.
            Seguramente outros nomes figuram na história e na memória de muitos irmãos e certamente estarão para sempre marcados, de modo indelével, no coração da nossa querida Igreja Central.
           
Avisos

Gratidão
Rendemos graças a Deus pela vida do Rev. William Lane, nosso preletor no aniversário dos 66 anos de organização da nossa igreja e sua querida mãe Nelly Bolliger Lane, que bondosamente tomou todas as providências para a restauração dos nossos vitrais.

Programação do Aniversário
Desde ontem estamos celebrando nosso aniversário. A Igreja Presbiteriana de Patrocínio celebra com alegria esta data tão marcante para a sua história. Hoje, na escola dominical, contamos com a preciosa colaboração do Coral Vida e a noite contaremos com a participação do coral do IBEL. Louvado seja Deus!

Celebração da Ceia do Senhor
Por ocasião do culto noturno também participaremos da celebração da Ceia do Senhor. Prepare-se em oração e meditação nas Sagradas Escrituras.

Excursão à Caldas Novas
No próximo final de semana vários irmãos da igreja participarão da nossa excursão à Caldas Novas. Ore pela viagem e o descanso de nossos irmãos.

Resoluções do Conselho da Igreja
O conselho da Igreja esteve reunido para deliberar sobre o campo de trabalho dos obreiros para o ano de 2015 e tomou as seguintes resoluções:
1) Convidar os pastores Rev. Cleverson e Rev. Everton para continuarem no pastorado da igreja para o ano de 2015. O convite foi aceito e agora será encaminhado ao presbitério em sua reunião do dia 23 de agosto;
2) Convidar o evang. Antônio Rogério para o campo da Congregação Manancial para o ano de 2015, começando já a partir de outubro deste ano.
3) Convidar o evang. Fernando de Oliveira para o campo da Congregação Filadélfia para o ano de 2015, começando já a partir de outubro deste ano.
4) Convidar o evang. Wanderlei Rodrigo para o campo da Congregação do Alto da Estação para dar continuidade ao trabalho em 2015.


Aniversariantes da semana
10/08
Marly Ap.da Silva Moreira
Central
3831-2868
11/08
Thaisa Fernandes
filadélfia

13/08
Benedito Fernandes de Oliveira
Filadélfia
3831-7686
13/08
Terezinha Angélica C. Souza
Central
3831-2284
14/08
Wilson Júnior
Manancial
3831-1997
14/08
Flávia Beatriz de Araújo Melo
Filadélfia
-
14/08
Bendito Fernandes
Filadélfia
-
15/08
Flaviane Faustino Rodrigues
Central
3831-4538
15/08
Izabel Cristina Luciano
Alto da Estação
3831-1566
15/08
Tiago R. Duarte
Filadélfia
8832-8915
16/08
Joyce Martins
Filadélfia
3832-5109
16/08
Joara Soares Baliana
Central
3831-4816
16/08
Miguel Carvalho
Central
3831-6112



FÓRUM

O Espírito Santo na Igreja
William Macleod

A obra do Espírito Santo é tão necessária quanto a obra de Cristo. Talvez isto surpreenda você. Mas Jesus diz: ‘É necessário que eu vá: pois se eu não for, o Consolador não virá para vós outros’ (João 16.7). Isto seria um desastre terrível. O ministério do Consolador é essencial. Nos tempos do Velho Testamento a vinda de Cristo era prometida e era intensamente antecipada. E quando Ele por fim veio, prometeu e ensinou o Seu povo a ansiar a vinda do Espírito. Tendo morrido pelos pecados do Seu povo e assim tendo satisfeito as exigências da justiça divina, Jesus ressuscitou ao terceiro dia, ascendendo aos céus no quadragésimo dia após a Sua ressurreição, enviando o Espírito Santo dez dias depois.

A vinda do Espírito prova que Cristo completou gloriosamente a Sua obra redentora. O Espírito continua e aperfeiçoa a obra de salvação que Cristo iniciou. Ele assim o faz como o braço de Cristo.

João Batista disse: "Eu na verdade batizo com água para arrependimento, porém Aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo" (Mat. 3.11). A maioria dos estudos sobre a obra do Espírito trata da sua atividade como indivíduo. A Bíblia, no entanto, vai além da abordagem (atomística) em partes e fala também da obra corporativa do Espírito Santo e é disto que gostaríamos de tratar neste artigo.

1.         O Espírito na Origem da Igreja

Em certo sentido a Igreja já existia no Velho Testamento. Estevão fala da ‘igreja no deserto’ (Atos 7.38). A Igreja consiste no povo de Deus, nascido de novo do Espírito, e salvo pela fé no Messias. Nos tempos do Velho Testamento assim como no Novo, o Espírito aplica a redenção comprada por Cristo aos indivíduos. Existe a Igreja exterior, Israel, e existe a igreja invisível, o verdadeiro Israel, entre os quais não há hipócritas.

Ainda assim algo especial aconteceu no dia de Pentecostes. Naquele dia começou a era do Espírito, e nasceu a Igreja do Novo Testamento, uma Igreja para o mundo inteiro. O ministério público de Jesus foi inaugurado com o Seu batismo com o Espírito. Da mesma forma os seus discípulos têm de esperar até que recebam o batismo do Espírito, que os fará uma Igreja poderosa pronta para ministrar para Deus no mundo. O Espírito veio naquele dia como um som de um vento impetuoso, línguas como fogo pairavam sobre os fiéis, e novos poderes a serem comunicados em línguas estranhas lhes foram dados.

O povo de Deus se tornou uma Igreja que fervia para o Senhor, corajosa, sábia, poderosa e zelosa. Pecadores eram convencidos dos seus pecados e convertidos em larga escala; 3.000 no primeiro dia. Jesus disse "Ele fará obras ainda maiores que estas" (João 14.12), e agora esta difícil palavra de Cristo se torna clara, ao serem muito mais pessoas convertidas do que com a pregação de Cristo. A parábola do grão de mostarda se torna uma realidade quando um pequeno grupo de seguidores se torna uma grande Igreja. O ingrediente vital neste desenvolvimento espetacular é o derramar do Espírito. Apesar de Ele ter trabalhado na Igreja do Velho Testamento, era de uma forma muito mais limitada e restrita. Havia poucos fora de Israel aos quais vinha a graça de Deus. Mesmo em Israel, obviamente, muitos eram não regenerados. Agora, no entanto, Cristo havia morrido, a redenção foi consumada, o dom do Espírito havia sido dado e a Igreja do Novo Testamento começa, equipada para sua grande tarefa de evangelizar o mundo e preparar o povo de Deus para a glória.

2.         O Espírito Santo Equipa a Igreja

Que diferença a vinda do Espírito fez no dia de pentecostes! Os fracos, confusos e amedrontados se tornaram poderosos e destemidos pregadores. Nos tempos do Velho Testamento o Espírito equipou indivíduos para várias tarefas: juízes para julgar (Juízes 6.34); reis para governar (1 Sam. 10.9-10); profetas para profetizar (Ezequiel 2.2); Bezalel construiu o Tabernáculo (Ex. 31.3) etc. No Novo Testamento o Espírito é dado à Igreja, Ele equipa crentes individualmente para sua função dentro do grupo.

A Igreja toda é comparada a um corpo e os indivíduos são membros ou partes diferentes deste corpo. "A um é dada pelo Espírito a Palavra de sabedoria; a outro, a palavra de conhecimento pelo mesmo Espírito", etc (1 Cor. 12.8-9). O Espírito (1Cor 12.11) assegura que a Igreja está plenamente equipada para sua tarefa. Os dons extraordinários passaram, pois o Senhor não os vê mais necessários para a Sua Igreja, mas tudo que se requer para o bem da Igreja é um evangelismo de sucesso eficaz.

Paulo nos diz que Cristo, tendo ascendido aos céus, "deu uns para apóstolos; e outros para profetas; e outros, como evangelistas; e outros, como pastores e mestres; para o aperfeiçoamento dos santos, para o trabalho do ministério, para a edificação do corpo de Cristo" (Ef 4.11-12). Ele o faz dando o Seu Espírito no dia de pentecostes. O Espírito dá a indivíduos os dons necessários, que eles precisam para cumprir o papel vital dentro do corpo.

3. O Espírito Santo Ensina a Igreja

"Toda Escritura é dada por inspiração divina" (1 Tim 3.16). "Homens santos de Deus falaram ao serem movido pelo Espírito Santo" (2 Pe 1.21). Deste modo as Escrituras são o produto do Espírito por meio do qual Ele ensina a Igreja. No entanto, o Espírito não apenas dá a Bíblia, mas também abre mentes e corações às suas verdades. Deus dá à Sua Igreja o "espírito de sabedoria e revelação no seu conhecimento: tendo sido iluminados os olhos do vosso entendimento" (Ef 1.11-18). Jesus declara: "O Espírito da verdade vos guiará a toda a verdade..., há de receber o que é meu e vo-lo há de anunciar" (João 16.13-15); "... e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito" (Jo 14.26); "... esse dará testemunho de mim" (Jo 15.26). O Espírito certifica a Igreja da verdade das Escrituras. Ele nos capacita a dizer "Abba, Pai" (Rom 8.15). João afirma sobre o povo de Deus: "Vós tendes a unção do Espírito Santo e sabeis todas as coisas."

Se cada crente individualmente soubesse todas as coisas, não haveria a necessidade de ter pastores ou comentários da Bíblia. Este versículo deve estar falando da Igreja coletivamente. O corpo de Cristo como um todo e em todas as épocas não precisa de alguém de fora para ensiná-lo. Tudo o que ele precisa saber está na Bíblia, e o Espírito ajuda a Igreja a entendê-la. O Espírito guiou a noiva de Cristo através de várias controvérsias, trinitarianas, cristológicas, etc. A Igreja hoje não deve ignorar o que ela aprendeu no passado, mas sim, construir sobre o que aprendeu. Louvamos a Deus por Ele ter dado um grande mestre à Igreja.

4.         O Espírito Santo Governa a Igreja

Cristo é o cabeça e Rei da Igreja. Cristo, porém, está nos céus. É através do Seu Espírito que Ele governa a Igreja. O Espírito dá dons e equipa indivíduos para ofícios e guia a Igreja para que aponte tais indivíduos. Quando os profetas e mestres de Antioquia ministraram e jejuaram ao Senhor, "o Espírito Santo disse: Separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado" (At 13.2). Dirigindo-se aos presbíteros de Éfeso, Paulo disse: "Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus" (At 20.28). O Espírito também está guiando ativamente o desenvolvimento da obra. Paulo numa certa altura "tendo sido impedido pelo Espírito Santo de pregar a palavra na Ásia; defrontando Mísia tentavam ir para Bitínia, mas o Espírito de Jesus não o permitiu" (Atos 16.6-7).

Foi da vontade do Espírito que o Evangelho fosse pregado na Europa. O Espírito governava e guiava a Igreja naqueles dias de maneira sobrenatural. Hoje em dia Ele trabalha através da Bíblia, da providência e dos pensamentos do seu povo ao orarem pedindo direção. O Espírito também é ativo no exercício da disciplina da Igreja. "O que ligardes na terra será ligado nos céus... pois onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles" (Mateus 18.19-20 (continua na próxima edição do Boletim)

Fonte: Retirado da Revista Os Puritanos
Ano VII – No. 3 – Julho/Agosto/Setembro/99



Estudo Dirigido para Grupos Familiares

Baseado no estudo bíblico de quinta-feira na Central – Rev. Cleverson Gilvan

Texto: Malaquias 1.6-14
Tema: Os pecados do culto

            De que maneira a igreja contemporânea tem avaliado a importância do culto?
Nossos líderes religiosos tem conduzido a igreja a uma adoração cristocêntrica e biblicamente dirigida?
            A mensagem da sessão que estudaremos nesta semana fala sobre os pecados do culto e sobre o completo desagrado de Deus.
            Assim, a exortação de Malaquias é uma palavra para que cultuemos a Deus da maneira devida antes que sejamos por Ele mesmo rejeitados.

1) Que tipo de oferta o povo e os sacerdotes apresentavam ao Senhor?

2) Você classificaria essa atitude como um desprezo por Deus? Como as pessoas podem demonstrar desprezo pelo culto hoje em dia?

3) Apesar da atitude do povo o que eles esperavam de Deus? Veja o vs. 9. Você acha isso certo?

4) O que os sacerdotes diziam sobre o serviço que prestavam a Deus? Veja o verso 13

5) O formalismo religioso pode produzir uma experiência enfadonha. Mas isto será assim porque lhes faltará o Espírito do Senhor e a vida que ele produz. Pensando nisto, considere: Que tipo de sensação o culto que você oferece a Deus, tanto público quanto particular, tem produzido em seu coração?

domingo, 3 de agosto de 2014

Boletim Informativo, 03 de agosto de 2014

UM POUCO DE HISTÓRIA
Cronologia do Presbiterianismo no Brasil
Alderi Souza de Matos

1859 – Primeiro missionário presbiteriano chega ao Brasil (Ashbel G. Simonton)
1862 – Fundação da Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro
1864 – Criação do jornal Imprensa Evangélica
1865 – Organização do Presbitério do Rio de Janeiro
1865 – Organização das Igrejas de São Paulo e Brotas
1865 – Ordenação do primeiro pastor evangélico brasileiro (José Manoel da Conceição)
1867 – Simonton cria no Rio de Janeiro o “Seminário Primitivo”
1869 – Chegam os primeiros missionários da PCUS (George Morton e Edward Lane)
1870 – Fundação da Escola Americana de São Paulo
1873 – Fundação do Colégio Internacional em Campinas
1873 – Início da obra presbiteriana no nordeste (Recife)
1888 – Organização do Sínodo da Igreja Presbiteriana do Brasil
1891 – Criação do Colégio Protestante de São Paulo (Mackenzie College)
1892 – Seminário Presbiteriano inicia atividades em Nova Friburgo
1893 – Lançamento do jornal O Estandarte, em São Paulo
1893 – Início do Colégio Evangélico em Lavras (MG), mais tarde Instituto Gammon
1895 – Seminário Presbiteriano é transferido para São Paulo
1898 – Assassinato do crente Manoel Correia Vilela em Pernambuco
1899 – Lançamento do jornal O Puritano, no Rio de Janeiro
1899 – Primórdios do Seminário Presbiteriano do Norte em Garanhuns (PE)
1900 – Organização da Igreja Presbiteriana Unida de São Paulo
1903 – Criação da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil
1904 – Fundação do Colégio Americano de Pernambuco (Agnes Erskine)
1907 – Seminário Presbiteriano é transferido para Campinas
1908 – Início das atividades do Colégio 15 de Novembro, em Garanhuns
1908 – Surgimento do jornal Norte Evangélico, em Garanhuns
1909 – Templo de São José do Calçado (ES) é queimado por fanáticos
1910 – Organização da Assembléia Geral da Igreja Presbiteriana do Brasil
1911 – Primeiro missionário da IPB em Portugal (Rev. Mota Sobrinho)
1916 – Rev. Erasmo Braga e outros líderes participam do Congresso do Panamá
1917 – IPB e missões americanas fazem acordo de cooperação (Modus Operandi)
1919 – Seminário Unido inicia atividades no Rio de Janeiro
1921 – Seminário do Norte é transferido para Recife
1925 – Segundo missionário da IPB em Portugal (Rev. Pascoal Luiz Pitta)
1928 – Fundação do Instituto José Manoel da Conceição em Jandira (SP)
1928 – Fundação da Missão Evangélica Caiuá em Dourados (MS)
1933 – Fundação do Instituto Bíblico Eduardo Lane – IBEL (Patrocínio, MG)
1934 – Criação da Confederação Evangélica do Brasil (CEB)
1937 – Primeira Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil
1937 – Assembléia Geral passa a denominar-se Supremo Concílio
1940 – Criação da Junta Mista de Missões Nacionais
1940 – Criação da Igreja Presbiteriana Conservadora, em São Paulo
1941 – Primeiro Congresso Nacional do Trabalho Feminino (Rio de Janeiro)
1946 – Primeiro Congresso Nacional da Mocidade Presbiteriana (Rio de Janeiro)
1948 – Fundação da Casa Editora Presbiteriana, em São Paulo
1950 – É promulgada uma nova Constituição para a IPB
1950 – Criação da Missão Presbiteriana da Amazônia
1955 – Instalação do Conselho Interpresbiteriano (CIP)
1956 – Rev. Israel Gueiros funda a Igreja Presbiteriana Fundamentalista do Brasil
1957 – Organização do Supremo Concílio da IPI
1958 – Fundação do jornal Brasil Presbiteriano
1958 – IPB envia missionários à Argentina e ao Chile
1959 – Presidente Juscelino Kubitschek comparece à comemoração do centenário da IPB
1959 – Seminário do Centenário inicia atividades em Alto Jequitibá
1959 – Realiza-se em São Paulo a 18ª Assembléia da Aliança Presbiteriana Mundial
1962 – IPB envia missionário à Venezuela (Rev. Joás Dias de Araújo)
1966 – Rev. Boanerges Ribeiro é eleito presidente do Supremo Concílio
1966 – Geremias Matos Fontes é eleito governador do Rio de Janeiro
1970 – Primeiro missionário da IPB no Paraguai (Rev. Evandro Luiz da Silva)
1975 – Criação da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil
1978 – Paulo Breda Filho, primeiro presbítero regente a presidir o Supremo Concílio
1978 – Criação da Federação Nacional de Igrejas Presbiterianas (FENIP)
1983 – Criação da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil (IPUB)
1985 – Lançamento das Institutas em português (tradução do Rev. Waldyr C. Luz)
1986 – IPB assina acordo de cooperação com a Igreja Presbiteriana Evangélica (EPC)
1988 – IPB inicia trabalho missionário na Bolívia
1992 – Criação do Centro de Pós-Graduação Andrew Jumper (CPAJ)
1996 – IPB inaugura portal na Internet
1999 – Universidade Presbiteriana Mackenzie cria a Escola Superior de Teologia
2000 – Criação da Associação Nacional de Escolas Presbiterianas




Avisos

Aniversário da Igreja
No próximo final de semana comemoraremos o aniversário da nossa igreja. Na oportunidade receberemos a visita do Rev. William Lane como pregador e ainda contaremos com a participação especial do coral do Ibel, do coral de nossa igreja, do Coral Vida e do nosso Ministério de Louvor. Convide seus amigos para participarem conosco!

Aniversário da Igreja
Foram confeccionados convites especiais para o aniversário da igreja. Procure um dos diáconos e leve para seus amigos. Nossa programação será no sábado e no domingo.

ATENÇÃO – CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR
Este mês não teremos a celebração da Ceia no primeiro domingo. Excepcionalmente a celebração da Ceia será no segundo domingo, por ocasião do aniversário da igreja. Todas as congregações participarão conjuntamente aqui na Central.

Reunião do Conselho
Na próxima terça-feira, logo após a reunião de oração, teremos a reunião do Conselho de nossa igreja. Todos os presbíteros estão convocados.

Reunião do Supremo Concílio da IPB
Foi eleita a nova mesa do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil na semana passada em Natal/RN e ficou assim constituída:
Pres.: Rev. Roberto Brasileiro
Vice: Rev. Augustus Nicodemus
Sec.Exec: Rev. Juarez Marcondes (pela CE)
Tesoureiro: Presb. José Alfredo.
1 Sec.: Rev. José Romeu Da Silva Silva
2 Sec.: Presb. Jairo
3 Sec.: Rev. Alcyon Vicente
4 Sec.: Rev. Ewerton B. Tokashiki

Oficina de Artes
Nossa oficina oferece toda terça-feira, a partir das 13:30 horas. E a partir do mês de agosto ofereceremos novos cursos. Venha participar conosco.
Agosto – Bordado em fitas – Profa. Iara
http://files.eflog.net/fotos/img382803_biabiscuit.jpgVem ai culinária e emborrachados!



Plenária da SAF Central
Nossa reunião será amanhã, às 19:30 horas, no salão social da igreja. Será uma reunião festiva onde comemoraremos o aniversário da nossa presidente.

Escala das Devocionais da Oficina de Artes
05/8 – Ana Maria
12/8- D. Odete
19/8 – Eloisa Ramos
26/8 - Mizza

Aniversariantes da Semana
03/08
Terezinha Angélica C. Souza
Central
3831-2284
04/08
Maria Gonçalves da Silva Santos
Manancial
8858-9319
04/08
Fernanda Aparecida Vargas Brito
Central
3831-5785
04/08
Cristina A. Oliveira Félix
Alto da Estação
9958-7235
07/08
Milca Betânia Silva Araújo
Central
3832-4704
08/08
Alcimar de Carvalho
Filadélfia
-
09/08
Justino Moreira
Filadélfia
-


Fórum

POR QUE PRECISAMOS DA BÍBLIA?

Hermisten Maia

A necessidade primária para o registro da Bíblia, foi o pecado do homem. No Éden só havia um livro: o livro da natureza; todavia, com o pecado humano, a natureza também sofreu as consequências, ficando obscurecida, perdendo parte da sua eloquência primeva em apontar para o seu Criador (Gn 3.17-19)1 e, como parte do castigo pelo pecado, o homem perdeu o discernimento espiritual para poder ver a glória de Deus manifesta na criação (Sl 19.1; Rm 1.18-23). A Revelação Geral que fora adequada para as necessidades do homem no Éden – embora saibamos que ali também se deu a Revelação Especial (Gn 2.15-17,19,22; 3.8ss) –, tornou-se, agora, incompleta e ineficiente2 para conduzir o homem a um relacionamento pessoal e consciente com Deus.3 A observação de Calvino, parece-nos importante aqui: “Lembremo-nos de que nossa ruína se deve imputar à depravação de nossa natureza, não à natureza em si, em sua condição original, para que não lhe lancemos a acusação contra o próprio Deus, autor dessa natureza.”4

Através da História Deus separou e preparou homens para que registrassem de forma exata e infalível os seus desígnios, sendo a Palavra de Deus escrita, dentre outras coisas, “o corretivo às idéias disformes que pode dar-nos a natureza em seu estado caído.”5

Desta forma, a Bíblia tem um caráter instrumental e temporário, embora que os seus efeitos e as suas verdades sejam eternos. O que estamos querendo dizer, é que na eternidade não haverá mais a Bíblia; apenas teremos a visão ampla e experimental daquilo para o qual ela apontava: A vitória do Cordeiro!

Necessidade Consequente:

Como consequência lógica do argumento anterior, podemos observar que a Bíblia foi escrita para registrar de forma cabal e inerrante a vontade de Deus referente ao aqui e agora e ao lá e depois, evitando assim, os desvios naturais, fruto do pecado humano. Por isso, só se considera adequada a revelação de Deus contida na Bíblia; somente através das Escrituras, o homem pode ter um conhecimento de Deus livre de superstições.

Calvino compreendendo bem este fato, escreveu:

Com efeito, se refletimos quão acentuada é a tendência da mente humana para com o esquecimento de Deus, quão grande a proclividade para com toda sorte de erro, quão pronunciado o gosto de a cada instante forjar novas e fantasiosas religiões, poder-se-á perceber quão necessária haja sido tal autenticação escrita da celeste doutrina, para que não deperecesse pelo olvido, ou se dissipasse pelo erro, ou fosse da petulância dos homens corrompida.6

A Bíblia como Palavra inspirada e inerrante de Deus, dá ao homem a resposta adequada às necessidades espirituais de que tanto carece, apontando para Jesus Cristo (Jo 5.39) e para o poder de Deus. Nas Escrituras encontramos a esperança da vida preparada, realizada e consumada pelo Deus Triúno (Rm 15.4; 1Jo 5.13). A Bíblia não foi registrada apenas para o nosso deleite espiritual; mas para que cumpramos os seus preceitos, dados pelo próprio Deus (Dt 29.29; Js 1.8; 2Tm 3.15,16; Tg 1.22); a Bíblia também não nos foi dada para satisfazer a nossa curiosidade pecaminosa (Dt 29.29), que em geral ocasiona especulações esdrúxulas e facções;7 Ela foi-nos concedida para que conheçamos o seu Autor e, o conhecendo o adoremos e, o adorando, mais o conheçamos (Os 6.3; 2Pe 3.18).8 A Bíblia foi-nos confiada a fim de que, mediante a iluminação do Espírito Santo,9 sejamos conduzidos a Jesus Cristo (Jo 5.39; Lc 24.27,44), sendo Ele mesmo Quem nos leva ao Pai (Jo 14.6-15; 1Tm 2.5; 1Pe 3.18) e nos dá vida abundante (Jo 10.10; Cl 3.4). Por isso, “ao estudarmos Deus, devemos procurar ser conduzidos a Ele. A revelação nos foi dada com esse propósito e devemos usá-la com essa finalidade”.10


Fonte: Trecho do Livro Creio no Pai, no Filho e no Espírito Santo, do autor Hermisten Maia, lançamento de maio de 2014 da Editora fiel.


ESTUDO DIRIGIDO PARA GRUPOS FAMILIARES

Baseado no sermão do Rev. Cleverson Gilvan na Igreja Central

Texto: Fp. 2.12-18
Tema: Santos no mundo

            O mês de agosto é um mês especial para a nossa Igreja. Estamos comemorando nossos 66 anos de organização eclesiástica e, a nossa querida Igreja Presbiteriana do Brasil, completará no próximo dia 12 de agosto seus 155 anos. Diante desse momento festivo queremos meditar sobre a igreja que devemos ser em nosso tempo. Aliás, você já parou pra pensar na igreja que Jesus quer que sejamos?
            A mensagem desta semana, baseada no texto de Filipenses 2, trata sobre essa questão. Aqui Paulo nos lembra que Deus nos constituiu para sermos luzeiros do mundo e, deste modo nos lembra a exortação de Jesus para sermos luz do mundo. Será que temos sido?
            Olhemos para o texto desta semana com temor e tremor, buscando ainda toda condição espiritual necessária para que sejamos aquilo para o qual fomos constituídos.

1) O que significa desenvolver a salvação com temor e tremor?

2) Por que devemos fazer tudo sem murmuração nem contendas? Você tem visto isso na igreja?

3) Como a igreja pode ser um luzeiro no mundo de hoje?

4) O que você quer fazer pela igreja onde Deus te colocou?

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Boletim Informativo, 27 de julho de 2014

A esperança que não se desespera

A esperança é o oxigênio que nos mantém vivos. Quem não tem esperança vegeta, não vive. Quem passa os anos de sua existência na masmorra do desespero, acorrentado pelo medo e subjugado pelas algemas da ansiedade, conhece apenas uma caricatura da vida. A vida verdadeira é timbrada pela esperança, uma esperança tão robusta que espera até mesmo contra esperança. Foi assim com Abraão, o pai da fé. Deus lhe prometeu um filho, em cuja descendência seriam abençoadas todas as famílias da terra. Abraão já estava com o corpo amortecido. Sua mulher, além de estéril, já estava velha demais para conceber. A promessa de Deus, porém, não havia se caducado. Contra todas as possibilidades humanas, contra todos os prognósticos da terra, contra todo o bom senso da razão humana, Abraão não duvidou por incredulidade, mas pela fé, se fortaleceu, dando glória a Deus e esperou mesmo contra a esperança, e o milagre aconteceu em sua vida. Isaque nasceu e com ele a esperança de uma descendência numerosa e bendita.
A esperança que não se desespera tem algumas características:
1. Ela está fundamentada não em sentimentos humanos, mas na promessa divina. Abraão não dependia de seus sentimentos, mas confiava na promessa. Deus havia lhe prometido um filho e essa promessa não havia sido revogada. Abraão já estava velho e seu corpo já estava amortecido, mas esse velho patriarca não confiava no que estava em seu interior, mas naquele que é superior. Não vivemos pelo que sentimos, vivemos agarrados na promessa. Não devemos nos estribar em nossas emoções instáveis, mas na Palavra estável e inabalável daquele que não pode mentir. As promessas de Deus não podem falhar. Ele é fiel para cumprir sua Palavra. Devemos tirar os olhos de nós mesmos e colocá-los em Deus. Dele vem a nossa esperança. Ele é a nossa esperança. Nele podemos confiar.

2. Ela está fundamentada não em circunstâncias, mas naquele que governa as circunstâncias. A fé ri das impossibilidades, pois não é uma conjectura hipotética, mas uma certeza experimental. A fé não lida com possibilidades, mas com convicção. O objeto da fé não está no homem, mas em Deus. A fé não contempla as circunstâncias, mas olha para aquele que está no controle das circunstâncias. Abraão sabia que Deus poderia fortalecer seu corpo e ressuscitar a fertilidade no ventre de sua mulher. Sabia que o filho da promessa não seria fruto apenas de um nascimento natural, mas, sobretudo, de uma ação sobrenatural. A esperança que não se desespera não olha ao redor, olha para cima; não vê as circunstâncias, comtempla o próprio Deus que está no controle das circunstâncias.
3. Ela está fundamentada não nas ações humanas, mas nas intervenções divinas. Abraão e Sara fraquejaram por um tempo na espera do filho da promessa. O resultado dessa pressa foi o nascimento de Ismael. A ação humana sem a condução divina resulta em sofrimento na terra, mas não em derrota no céu. O plano do homem pode ser atabalhoado, mas o plano de Deus não pode ser frustrado. Deus esperou Abraão chegar a seu limite máximo antes de agir. Esperou que todas as possibilidades da terra cessassem antes de realizar seu plano. Então, a promessa se cumpriu, o milagre aconteceu e Isaque nasceu. O limite do homem não limita Deus. A impossibilidade do homem não ameaça Deus, pois os impossíveis do homem são possíveis para Deus. Quando o homem chega ao fim dos seus recursos, Deus ainda tem à sua disposição toda a suprema grandeza do seu poder. Deus faz assim para que coloquemos nele toda a nossa confiança, para que tenhamos nele toda a nossa alegria e para que dediquemos a ele toda a glória devida ao seu nome.


 Nova Logomarca da Igreja Presbiteriana do Brasil


Culto de Formatura
Na próxima sexta-feira (01/08) as 19:30h teremos o culto de formatura da E.E. Dom Lustosa, curso de Magistério. Toda Igreja está convidada.

Executiva da Federação das SAFs
No próximo sábado as 13:30h teremos a Executiva da Federação das SAFs do PAPB em nossa Igreja.

Oficina de Artes
Lembramos as mulheres da Igreja que já está funcionando a Oficina de Artes. Voce pode vir aprender trabalhos manuais ou pode doar seu tempo ensinando algo diferente. Fale com  a Marly Moreira.

Ficha Familiar
Solicitamos aos irmãos que ainda não atualizaram a Ficha Familiar que o possam fazer o mais rápido. Nosso desejo é atualizar a escala de aniversariantes, endereço, telefone, etc.. Pegue a ficha no rol de entrada do templo e entregue para um dos diáconos ou deixe no gazofilácio.

Construção e Reforma
Estamos avançando em nossos projetos de Construção e Reforma. Mas chegou a hora de contribuirmos com nossos dízimos e ofertas. Não há recursos suficientes para essa nova  fase, mas você pode ajudar com sua oferta em espécie ou em material. Procure o pb. Natanael ou o pb. Carlos Brasileiro e faça sua oferta.


ESCALA JUNTA DIACONAL -
CENTRAL E CONGREGAÇÕES
 JULHO

Alto da Estação
Filadélfia
Manancial
Central
27-jul
Josué
José Humberto
Mardoqueu
Francisco
Ney
José Rodrigues
Daniel



OBS. 1: Os nomes com asterístico à frente, são responsáveis por preparar a Santa Ceia.


Aniversariantes
27/07
Eliane Ribeiro
Alto da Estação
9902-9936
28/07
Julio César Santos
Filadélfia
9134-3181
29/07
João Vitor Silva
Alto da Estação
9257-2119
30/07
Júnia Chagas
Central
3831-4834
30/07
Gilberto Barbosa Piva
Filadélfia
3832-6414
30/07
Helder Araújo Chagas
Filadélfia
3831-4161
31/07
Maria do Carmo
Manancial

31/07
Alyne Amaral Santos
Filadélfia
3831-7077
01/08
Ana Maria
Manancial

01/08
Simone Costa
Manancial

02/08
Carlos Thomas Brasileiro
Central
3831-5893
02/08
Lucas Thomas de Paula Brasileiro
Central
3831-5893
02/08
Victor Thomas de Paula Brasileiro
Central
3831-5893
02/08
Neiva de Lourdes de Jesus
Filadélfia

02/08
João Pedro Barbosa Urbano
Central
3831-2852
02/08
Renata Alves Ferreira
Central
3831-7849



Rev. Ronaldo Dourado (Chile) - 03/07/14







2014: Consolidar e crescer! É fundamental discipular sem deixar de evangelizar.
Graças a Deus, a Iglesia Presbiteriana Red vai se consolidando mais e mais. Começamos este ano com o desafio de fazer funcionar algumas estruturas que criamos no final do ano passado: a Escola Dominical, o Culto, o Conjunto de Louvor, o Ministério de Jovens e Adolescentes, o Ministério de Mulheres, o Ministério de Missões e o Ministério de Família. A maioria está funcionando bem. Com isso, estamos colhendo os frutos como esperávamos: os líderes estão crescendo; os irmãos sendo edificados e novas pessoas sendo incorporadas.

 
Semana Santa 
Na Sexta-Feira Santa, tivemos um jantar evangelístico de Páscoa. Contamos com a presença de 45 pessoas, das quais 15 eram visitantes. Bênção de Deus!  

 
Ministério de Missões
Apoiamos missionários cubanos, Família Fredes, através de nossas orações e contribuição. No mês de maio enviamos a Cuba uma mala com 20 kg de produtos necessários para o trabalho dos missionários. “Deus ama a quem dá com alegria” 2 Coríntios 9.7

“Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes”
Desde maio, temos uma vez ao mês, reunião do Ministério de Jovens e Adolescentes. Os próprios líderes desse ministério conduzem os trabalhos, nos quais há momentos de meditação na Palavra, dinâmicas e jogos. Em uma reunião (em maio) estiveram presentes 18 pessoas, das quais três eram visitantes. Esse ministério tem grande potencial para crescer.

Crescimento administrativo da Igreja
A Iglesia Presbiteriana Red funciona com uma Mesa Administrativa composta pelo pastor-plantador e mais seis irmãos chilenos. Uma vez ao mês, nos reunimos para focarmos na visão de fazer discípulos de Jesus. No mês de abril, começamos a recolher os dízimos daqueles que são membros da igreja. A arrecadação tem sido boa e junto com as ofertas recolhemos mensalmente o equivalente a 1/4 do que necessitaríamos para o sustento da igreja. Deus seja louvado e continue provendo e fazendo crescer sua obra! 

Classe de Catecúmenos
Nesse mês de junho, começamos a Classe de Catecúmenos. Estamos preparando 12 irmãos que serão recebidos por Batismo e Pública Profissão de Fé no fim do mês de agosto, como primeiros novos membros da igreja. Essa será uma data de grande alegria e festa.
“E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações... Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” Atos 2:42,47.

Pedidos de oração
- Por nossa família, para que Deus cuide de nós, espiritual, emocional e fisicamente;
- Pelos líderes, para que Deus os capacite e renove para servirem com dedicação;
- Pelos irmãos que estão fazendo a Classe de Catecúmenos para serem batizados e recebidos como membros;
- Pela Comuna de La Reina e a evangelização que será realizada neste segundo semestre;
- Pelos irmãos que estão discipulando e pelos que estão sendo discipulados;
- Por um lugar que tanto necessitamos para as reuniões da igreja. Tem sido difícil encontrar!
“Muito pode por sua eficácia a súplica do justo.” Tiago 5:16.

Ronaldo Adriano Roque Dourado
Fone e Whatsapp: (+56) 9 7432 2381
Email: ronaldodourado@hotmail.com





ESTUDO DIRIGIDO PARA GRUPOS FAMILIARES


Texto: Tiago 1.12-18


         O verso 12 nos oferece uma bênção e uma promessa em tempos de provação e tentação.

         Muitas pessoas por terem a idéia de que Deus é bom, Ele jamais permitiria que Seu povo sofresse ou passasse por tentações. Contudo, esquecem que Deus quer que Seus filhos amadureçam e experimentem mais bênçãos de sua preciosa Graça; e o único modo pelo qual este amadurecimento vem é por meio das provas e tentações. Nesta passagem Tiago enfatiza a bondade de Deus e alerta os cristãos sobre o cuidado que precisam ter nestes tempos. (1:13,20).
     Primeiro, ele faz uma clara distinção entre provação e tentação. Deus envia provação para produzir o melhor em nós (Ex: Abraão, Gn 22.1), porém Satanás nos tenta com o intuito de nos causar o pior. Os crentes, por nenhum modo, devem dizer que é DEUS quem os tenta, porque somos tentados por nossa própria natureza.
     Daí por diante, Tiago relembra àqueles irmãos que Deus somente nos dá boas coisas e que estas descem dos céus. Deus é Luz; Deus é imutável; Fomos tornados seus filhos; Fomos gerados por Sua Bendita Palavra.

1. Que bem-aventurança ou promessa é cumprida na vida daquele que perseverança em meio as provas? (v.12)

2. Existe distinção entre Provação e Tentação?

3. O que Mateus 6.13 quer dizer se Deus a ninguém tenta (v.       13)?

4. Se Deus, então, a ninguém leva a pecar, por quê pecamos? (v.14)

5. Como Tiago descreve a Bondade de Deus nos versos 16-18?